Movimento da Segurança Pública de MG pressiona Câmara dos Deputados, que retira do PLP 257/16 pacotão da maldade do Governo Temer

20 de dezembro de 2016

A direção do Sindpol/MG, juntamente com demais entidades de classe, que representam a Segurança Pública de Minas, participaram ativamente da paralisação da Segurança Pública, durante toda essa terça-feira (20/12), contra o PLP 257/16. Estiveram presentes policiais civis, militares, bombeiros militares, agentes penitenciários e socioeducativos, com indicativo de greve, geral caso o PLC 257 fosse aprovado como estava na Câmara dos Deputados.

Os dirigentes sindicais mobilizaram todas as categorias da Segurança Pública e caminharam da Praça da Assembleia até a Praça da Liberdade, em seguida fizeram um abraço simbólico no prédio onde está localizado o Copom e a Cepolc. Durante toda a tarde ficaram em contato com Brasília, articulando na Câmara dos Deputados pela retirada de parte do texto que prejudicaria os servidores públicos.

Após muita pressão das Polícias Civil, Militar, Corpo de Bombeiros, Agentes Penitenciários e Socioeducativos, os deputados federais votaram pela retirada de parte do texto que prejudicaria os servidores públicos estaduais, foram 296 votos favoráveis, 12 contrários e três abstenções, dessa forma os parlamentares aprovaram a nova versão do projeto de renegociação de dívidas dos estados com a União (PLP 257/16), sem as contrapartidas estabelecidas pelo Governo do presidente Michel Temer, que previa congelar os salários dos servidores públicos estaduais e aumentar a contribuição previdenciária de 11% para 14%. A mudança representa uma derrota para o governo Temer, e só foi possível após pressão da Segurança Pública de Minas Gerais.

O presidente do Sindpol/MG Denilson Martins, falou da importância da união de toda a categoria Polícia Civil, porque a luta não acabou. “Vencemos mais uma batalha, precisamos que retirem a Polícia Civil do texto da PEC 287/16, que trata da Reforma da Previdência. Vamos continuar mobilizados e pressionando Brasília. Foi importante essa união de hoje, de todos os Operadores da Segurança Pública, que saem todos os dias de casa para cuidar da sociedade, merecemos respeito, e infelizmente não fomos respeitados com esse pacotão da maldade, conseguimos a retirada de uma parte importante do PLP 257/16, que congelaria nossos salários, promoções e aumentaria a contribuição previdenciária, mas é necessário que continuemos mobilizados.”, afirmou.

Mobilização no interior

As subsedes do Sindpol/MG, no interior, também se mobilizaram durante todo o dia. Policiais civis manifestaram em protesto contra o PLP 257/16, em apoio ao movimento que ocorria na capital. A Polícia Civil continua mobilizada e atenta para as próximas convocações de paralisação e até greve geral, mas dessa vez contra o PLP 287/16, que trata da Reforma da Previdência.