Palavra do presidente – Nota de esclarecimento

5 de maio de 2016

Presidente interino do Sindpol/MG esclarece detalhes sobre a lotação do presidente licenciado

Senhores (as) e nobres filiados (as) do Sindpol/MG em resposta a interpretações e indagações inadequadas sobre a licença temporária do presidente do Sindpol/MG Denilson Martins, esclarecemos oficialmente que o mesmo, após autorização e deliberação da direção dessa Casa sindical, aceitou o encargo de incluir-se a relação de pré-candidato ao pleito de vereador da capital pelo PTdoB, na eleição desse ano, conforme preceitua a legislação eleitoral.

Nesse sentido por ser dirigente de entidade sindical vinculada a Administração Pública, por meio de servidores liberados com ônus, o mesmo tem que se afastar das atividades sindicais seis meses antes do pleito, ou seja, 02/04/2016 a 02/10/2016. Considerando o entendimento do TRE-MG, o servidor policial civil deve retornar as suas atividades e se afastar novamente três meses antes do pleito, ou seja, 02/07/2016 até 02/10/2016. No caso do presidente afastado Denilson Martins não seria prudente e nem tampouco salutar, face a sua função de direção sindical, sempre expostos a conflitos de interesses de chefias locais, bem como o transtorno de apenas por três meses compor e chefiar equipes (uma vez que é investigador nível especial, em final de carreira, com contagem de tempo para aposentadoria, concluindo em 30/10/2016) e depois retornar ao mesmo status de dirigente sindical, motivo pelo qual, com a autorização da nossa diretoria, por unanimidade, atendeu ao convite do chefe-adjunto da Polícia Civil, Dr. João Otacílio, para prestar serviços em seu gabinete, na função de assessoramento. Atividade compatível com a peculiaridade da função sindical. Deixando bem claro que esse período se restringe a apenas três meses, até o pleito eleitoral. Entendemos que nessa função, o presidente licenciado Denilson Martins, continuará contribuindo mais e melhor com a articulação pela aprovação das ações e projetos institucionais da PCMG e da nossa categoria.

Essa direção sindical espera contar com a compreensão de nossos filiados e o entendimento do tirocínio policial, quando o que está em questão é autonomia e independência da direção da nossa entidade, cujo representante e responsável maior não pode, mesmo que temporariamente, ficar exposto, submetido a riscos, interesses e conflitos menores, que podem macular ou prejudicar as metas e projetos coletivos maiores de nossa Instituição.

Fazemos esse esclarecimento em resposta a alguns comentários e ilações maliciosos e desrespeitosos, feito por pessoas inescrupulosas, que não conhecem o histórico de lutas de todos os membros de nossa direção sindical, feitos na tentativa de macular o compromisso ético e coletivo, sempre apresentado e defendido pelo nosso dirigente de maior responsabilidade, e toda a sua diretoria.

O presidente licenciado Denilson Martins, por sua história de lutas e compromisso com a categoria, por todas as perseguições e processos respondidos, por defender a nossa Instituição, merece o nosso respeito e apoio, principalmente nesse momento que, atendendo ao chamado da classe, vai enfrentar mais esse desafio, com vistas a melhorar a representatividade, a interlocução política de nossa categoria e de nossa Instituição.

À Executiva Sindical

Antônio Marcos Pereira (Toninho “Pipoco”)

Presidente Interino do Sindpol/MG