Reflexão sindical: Enquanto o DETRAN bate recordes de arrecadação para o Governo, delegacias da Polícia Civil amargam sucateamento histórico.

Reflexão sindical: Enquanto o DETRAN bate recordes de arrecadação para o Governo, delegacias da Polícia Civil amargam sucateamento histórico 

 

Compete ao sindicato nesta nota esclarecer a muitos valorosos policiais civis em exercício da relevante função extra de examinador do Detran que o SINDPOL/MG, já há dez anos, vem lutando pelo crescimento e valorização da Polícia Civil, porém, nossa tão combalida instituição, sofre com distorções históricas incompreendíveis, que transpuseram o advento da nova ordem constitucional, e dentro do estado democrático de direito não se pode mais tolerar. É incompreendível que uma instituição tão importante e tão forte como a Polícia judiciária suporte tão pesado ônus sem qualquer retribuição institucional para isso. O mesmo acontecia com relação a custódia de preso, lutamos muito e agora estamos quase livres. Por mais nobre que seja a função do Detran, não podemos olvidar que ela drena os nossos melhores e mais importantes recursos humanos sem qualquer compensação financeira ou remuneratória para a instituição e o todo de seus membros. Não pode por causa de 10% de nosso efetivo (entre ativos e inativos) que recebem honorários, deixar à deriva do sucateamento todos os trabalhadores da Polícia Civil e suas unidades. Hoje, grande parte dos Delegados de Polícia gasta todo o seu tempo assinando e carimbando CLRV’s, atividade meramente burocrática (na capital e principalmente no interior), do que se dedicando à presidir inquéritos e organizar investigações. OU O GOVERNO REMUNERA A POLÍCIA CIVIL POR ESTA ONEROSA ATRIBUIÇÃO SECUNDÁRIA, OU DESVINCULE-A DA POLÍCIA CIVIL; foi este o posicionamento da maioria absoluta dos servidores em votação na assembleia no dia 08/06. Posicionamento este, que foi exigido por nossos Diretores do interior, quando perceberam as dificuldades de se manter o movimento de greve, que visa beneficiar a todos enquanto alguns colegas se mantém indiferentes a este mister (é o caso das bancas do DETRAN na capital e em todo o Estado).

O SINDPOL/MG em sua diretriz democrática de decidir sob todos e quaisquer assuntos de forma colegiada jamais poderia deixar de abordar este tema como foi solicitado por sua base. Em outra ocasião, em 2006 e 2009, este mesmo assunto veio à tona, porém o entendimento de grande parte do sindicato e da Polícia Civil era outro. Após a imposição da política de integração, por esse governo, bem como a luta para combater o sucateamento da nossa instituição e esperanças apresentadas com o novo horizonte do 3º grau e carreira jurídica, este posicionamento mudou e o conjunto da Polícia Civil quer ser mais valorizado para focar seguindo em frente cumprindo sua missão: INVESTIGAR.

As matérias e ilustrações a seguir, mostram a realidade do quadro de sucateamento pelo qual atravessa a Polícia Civil e que, para submergirmos é preciso quebrar alguns paradigmas: NÃO PODE UMA FUNÇÃO SECUNDÁRIA SER PRIORIZADA E SER TRATADA COM MAIS IMPORTÂNCIA QUA A FUNÇÃO PRIMÁRIA INSTITUCIONAL.

O SINDPOL/MG, que lutou e luta pelo caráter técnico-jurídico e técnico-científico da função policial (garante que um policial civil possa também atuar como educador, fora do horário de serviço policial), entende que os POLICIAIS PODEM SIM, TRABALHAR COMO EXAMINADORES E EDUCADORES EM OUTRAS INSTITUIÇÕES E AUTARQUIAS, MESMO QUE NÃO NECESSÁRIAMENTE, ESTAS AUTARQUIAS E INSTITUIÇÕES ESTEJAM VINCULADAS À ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DA POLÍCIA CIVIL. O QUE MUDA É APENAS A PRIOIZAÇÃO, AUTONOMIA E INDEPENDÊNCIA INALIENÁVEIS DA POLÍCIA CIVIL E SEUS SERVIDORES. UMA INSTITUIÇÃO PARA SER FORTE TEM QUE SE DEDICAR NA PLENITUDE ÀQUILO QUE É ESSENCIAL NA SUA EXISTÊNCIA.

 

Veja matéria, fotos, reflita e tire as conclusões!

A executiva sindical
Denilson Martins


 
 

Matéria Fonte: O TEMPO  – online
Link:
http://www.otempo.com.br/noticias/ultimas/?IdNoticia=173871,OTE&busca=policia%20civil&pagina=1
Disponível em: 13/06/2011