Sindicato age contra arbitrariedade e truculência

25 de janeiro de 2016

Sindicato age contra arbitrariedade e truculência

Sindpol/MG requer providências contra abordagem arbitrária a médica de Montes Claros/MG na Secretaria de Estado de Direitos Humanos

Na tarde dessa segunda-feira, 25/01, o presidente Denilson Martins e sua diretoria despacharam pedido de providências imediatas contra a abordagem e condução truculenta, arbitrária e abusiva de policiais militares, em Montes Claros/MG, em face da médica legista aposentada, S.R.G.

O dirigente sindical foi recebido pelo secretário adjunto Biel Rocha, que se comprometeu em ter uma atuação firme na apuração rigorosa de mais esse episódio típico de violência policial. “Independentemente de ser ou não Policial Civil aposentada, não é essa a orientação ou conduta que a Polícia Militar deve adotar na abordagem de pessoas e na solução de conflitos” disse o secretário.

O presidente Denilson Martins informou ao secretário que fatos dessa natureza têm ocorrido com certa frequência, como se originassem de uma orientação de comando, haja vista, às providências inócuas e os sucessivos arquivamentos. O dirigente sindical disse que é urgente a necessidade de uma reorientação sob pena de voltarem os tempos de confrontos armados, inclusive com baixas, de ambos os lados. E é claro, a situação em tela ocorrida em um hospital não se aproxima de confronto hostil em teatros de operações, o que não justifica jamais o tratamento dispensado a qualquer cidadão comum, muito menos a um policial ou uma mãe aflita que buscava atendimento para o seu filho doente.

O presidente também disse que está buscando providências em várias autoridades, como em ouvidoria da Polícia e Comissão de Direitos Humanos da ALMG, mas, que espera do Poder Executivo e da Secretaria atenção especial a esse caso.

Veja ofício ao lado.