TCO e desvio de função

TCO e desvio de função: Reunião com o Superintendente de Investigação e Polícia Judiciária, delegado Alexandre Andrade de Castro, investigadores não concordam em desempenhar atribuições de escrivães

O Sindpol/MG se reuniu na última quinta-feira (23/07), com o Superintendente de Investigação e Polícia Judiciária, Dr. Alexandre de Castro, e o presidente Denilson Martins, juntamente com o vice Toninho “Pipoco”, solicitaram a intervenção do mesmo, no sentido de alinhar com as autoridades policiais suspensão da medida improvisada, inoportuna, inadequada e inconveniente de alguns delegados que por meio de portaria tem obrigado investigadores a realizarem atribuições de escrivães, como termos de declarações, medidas protetivas, TCO’s, dentre outros. Acumulando assim funções que sobrecarregam e comprometem as investigações e atribuições dos mesmos. Essa medida tem sido sistemática e tem causado cisânia desarmonia e animosidades na base da Polícia Civil, sendo assim, essa tratativa merece especial atenção e intervenção da Administração Superior da Instituição, sob pena de perdermos o foco de ações Institucionais e estratégicas em curso. Na reunião também foi solicitado ao superintendente maior atenção à carência de logística e efetivo na delegacia regional de Conselheiro Lafaiete, que vem passando por desafios nessa temática, conforme relato do diretor regional do Sindpol/ MG, em Conselheiro Lafaiete, Anderson Resende, que também participou da reunião. O superintendente se comprometeu a tomar as providências cabíveis, e no tocante ao desvio de função também levará o assunto ao Conselho. O presidente Denilson desabafou com o superintendente o descontentamento da classe com essa postura de delegados, exatamente no momento em que estamos todos, sem exceção, sendo atacados em nossas prerrogativas, como no caso do TCO, a base chega a questionar por que defendemos a permanência e continuidade daquilo que nos obrigam a fazer? O momento deveria ser de união e unidade nas ações.